!

!
"Só existe uma coisa melhor do que fazer novos amigos: conservar os velhos."

Monday, December 15, 2014

Arriscar é: ?

A doença dos povos do hemisfério norte é comer demais. 
Que estranho!

Saturday, December 13, 2014

Arriscar é: alegria

A alegria sem precisar de desinibidores é a que vive de acrescentar algo de bom à vida dos outros. Sempre a partir do que enche a medida do coração do outro.

Friday, December 05, 2014

Arriscar é: construir sobre a rocha

Por vezes essa é a conclusão a que chegamos:
Estamos a construir sobre a areia e não sobre a rocha.
Hoje verificamos que poucas vidas têm solidez.
Por tal se aposta a ver se dá.
Mas atenção porque pode não ser só a vida do outro que está construída sobre a areia, também a nossa...
E quando o nosso coração é de pedra?

Wednesday, December 03, 2014

Arriscar é: medo de

Verificamos que tem mais medo de perder quem já teve pouco ou fez a experiencia de perder.

Por isto é tão importante a gratidão pelo que já se tem.

Monday, November 24, 2014

Arriscar é: mão cheia

Uma mão cheia são as atitudes que não devemos deixar de viver nesta nossa passagem...
Amar
Ser amado
Perdoar
Ser perdoado
Dizer adeus

Friday, November 21, 2014

Arriscar é: 40+6

 40+6
Amig@s,
Volta a tradição!
Já lá vão 6 anos em que, nesta altura, paro para fazer este exercício de memória e gratidão.
Este ano decidi agradecer a esta terra que me acolhe, Portugal e na sua língua. Pensei em cerca 46 palavras significativas da minha vida:
1.      Carlos - O meu nome (Carlos Manuel Pereira Azevedo) é formado a partir do nome do meu avô (Carlos Pereira) o seu filho e meu tio falecido com 6 anos (Carlos Manuel Pereira) e do meu Pai (Carlos Augusto Rodrigues Azevedo) e seu pai, Manuel.
2.      Mãe e pai – Duas palavras que lamento não ter memória da primeira vez que as disse. Deve ser um momento único na vida de quem as ouve. Para quem as diz é algo que transmite muita segurança.
3.      Irmão - Os pais dão-nos este presente que, a seguir á vida, é um dos melhores que há. Vamos aprendendo a valorizar ao longo da vida e a manifestá-lo. É a grande resposta à solidão.
4.      Avós e neto - O meu avô costumavam dizer que eu é que era o avô. Com ele reforcei muito a certeza de ser amado. As avós que conheci alem da serenidade, foram fonte de muito e bom afeto e carinho. Ser neto foi um dos mais importantes papéis da minha vida. A saudade está aqui contida.
5.      Amigo de Deus- Este foi um dos tratamentos mais bonitos que já tive. Quando estive muito doente alguém rezou assim por mim: “Senhor o teu amigo está doente, se quiseres podes curá-lo”. Mais tarde num grupo do Pré-Seminário, os jovens que eu acompanhava, tinham este nome.
6.      Cristão – Esta palavra começa por ser um dado cultural, mas torna-se mais bonita quando é uma convicção que define uma adesão a uma Pessoa e a um Caminho, Cristo e o Evangelho.
7.      Intimidade e Cumplicidade-São estes os lugares onde acontece o que dá mais sentido à vida. Num encontro e partilha de vida, num partilhar da mesma linguagem.
8.      Casa – Mais do que o edifício, gosto tanto de me “sentir em casa”. Isso acontece em lugares mas também com pessoas. Há pessoas que me fazem assim sentir quando estou com elas. Que bom.
9.      Comunhão - comer do mesmo prato, beber do mesmo copo. Assim, defino a comunhão que comecei a aprender, primeiro em casa com os pais e depois na amizade com Deus e os outros.
10.  Música - Juntamente com o cinema é do que mais acrescenta beleza à minha vida. A arte eleva a criação de Deus a um ponto culminante e faz-me sonhar e contemplar. A música é a minha grande fonte de inspiração e abertura para a emoção e espiritualidade.
11.  Tempo - O tempo é o que faz da vida um tesouro. O tempo que gastamos e como o gastamos com as coisas, as pessoas e com Deus faz-nos amar mais ou menos. Perder tempo sem sentido é um dos desperdícios piores da vida e uma das imagens do inferno. Gosto de construir momentos para mais tarde recordar.
12.  Palavra - Esta tem uma força criativa e destruidora inigualáveis. Para mim, as palavras são isso mesmo, uma força. Vou-me exercitando nelas e fazendo o caminho de purificação e aprofundamento do seu conteúdo.
13.  Padrinho - Ao longo dos anos esta palavra foi estando muito presente. Desde os meus 14 anos fui sendo padrinho de algumas pessoas. Ora do batismo ora do crisma. Nem sempre estive à altura da missão mas é um laço que me compromete.
14.  Amor – O principio, o meio e o fim de tudo. Identifico esta palavra com uma Pessoa, Jesus. Nele a encarnação do que o Amor é.
15.  Paz – Este é para mim algo mais interior à pessoa do que exterior. É também uma construção contínua e permanente. Conquistando-se não se deve jogar fora por qualquer coisa.
16.  Reconciliação- Esta é um dos tesouros do cristianismo. Um sacramento que nos permite ouvir e saber que somos perdoados. Fantástico. A vida para acontecer passa pelo erro e a culpa, marcas da nossa fragilidade, mas não avança se não há paz interior com as pessoas e os acontecimentos.
17.  Peregrinar - Esta palavra marca muito da nossa condição humana. Desde cedo o percebi. As minhas entradas em Jerusalém reforçaram essa dimensão que cruza a história do ser humano. A peregrinação reforça o sentido de tudo na relação com Deus o outro e a natureza.
18.  Descansar- com o decorrer da vida vamos notando que esta realidade é muito importante e necessária. Mas não só o tempo de descanso é importante. O local e as pessoas também são descansativas ou não…
19.  Saborear - Com Sto. Inácio aprendi que o que mais importa não é só o saber mas o saborear internamente todas as coisas. Um belo lema para a vida feliz.
20.  Escrever – Ainda hoje das coisas que me dão mais gozo é escrever e com caneta. Apesar de não ter uma caligrafia interessante dá gosto escrever as minhas notas e as minhas cartas aos amigos dessa forma. A escrita leva muito de nós na forma e no conteúdo.
21.  Ler – Há no ser humano uma dimensão de conquistador e descobridor. A leitura é uma das dimensões que o permite. Ler um bom livro é uma fantástica aventura.
22.  Conversar – Do que mais enche as minhas medidas é assistir ou participar numa boa conversa. Como lembro ouvir os meus pais desde menino já noite dentro a conversar e depois guardo como momentos culminantes boas conversas que tive. Nasce muita luz de uma boa conversa.
23.  Admirar – Admirar e ser admirado é um dos grandes objectivos da vida. Os dois juntos. Equilibram-se. Pelas razões certas, a admiração enche a vida.
24.  Cantar- O gozo que dá cantar já foi maior mas sei que sempre vai estar presente.
25.  Acolher – Este é dos maiores prazeres que me podem dar. Ser bem acolhido. Quem já o experimentou não fica indiferente ao que pode proporcionar aos outros. Creio que todo o decurso da nossa vida é marcado pelo primeiro instante em que a nossa vida é acolhida ou não.
26.  Próximo – Ser acessível é uma busca contínua da nossa parte. Gostávamos de chegar a todos, mas gostávamos que ninguém tivesse dificuldades em se aproximar. Hoje é parte da harmonia que buscamos na vida.
27.  Escutar – Será este um dos actos mais necessários hoje em dia. Mais do que tudo é uma missão e um serviço. Ser bem escutado estrutura o nosso ser e mata a nossa solidão.
28.  Jesus e Deus – O pilar de todas as vidas não só pela criação mas no sentido que toda a vida tem. O caminho da verdade e da vida estão aqui ditos na sua grandeza e beleza extrema o Amor.
29.  Maria- Com certeza que este será, de todos os nomes, o mais belo. É nome de mulher, de mãe e de avó.
30.  Gratidão – Um coração agradecido é um coração feliz e bonito. O seu contrário é do que mais nos choca.
31.  Medo – Além do amor todos sabemos que esta é uma das forças que nos move. Não é uma logica pela qual nos gostaríamos de mover mas ainda vai acontecendo. A liberdade e a inteireza de nós mesmos estão na vitória sobre o medo.
32.  Felicidade – Encontrar a minha e ajudar os outros a descobrir a sua é uma das tarefas da vida. Não é trabalho mensurável mas é essencial. O resto está nesta direção.
33.  Simples – Valorizar o simples é para nós um caminho de excelência. Tudo é simples para os simples, e complicado para os complicados. Assim cremos e procuramos por em prática. Acrescenta muito e é barato.
34.  Humildade – Esta deverá refletir a verdade de nós mesmos. Possibilita a vitória sobre o desamor e a solidão. Só na verdade há amor, e a humildade é o caminho.
35.  Saudável – Este é um critério para as atitudes física, psíquica, social e espiritualmente. Opções e comportamentos assertivos somam saúde á nossa vida.
36.  Identidade – Algo que se deve identificar claramente. Mexer na identidade exige muito cuidado. É certo que esta se constrói mas quando se destrói tudo em nós periga.
37.  Melhor – Se a vida é um caminho que seja sempre melhor. Nas escolhas da vida mais do que pedir o que nos parece bom, a sabedoria está em pedir o melhor ainda que não seja de acordo com o que vemos no instante. É muito saudável e libertador este critério de vida.
38.  Sentido – Procurar onde está Deus em cada pessoa e acontecimento é achar o sentido da vida. Não será fácil mas é muito do objetivo da minha missão sobre a terra.
39.  Água e Chuva – Sempre achei que a água e a chuva são elementos que dão muito futuro à nossa vida. Quando chove penso na vida que surge a seguir e na restante criação que tanto necessita como nós da agua para viver.
40.  Entusiasmo- Apoiar as causas e os ideais é algo que me mobiliza. O desencanto das pessoas pela vida é algo que me deixa muito triste. Quando aprendi que esta palavra entusiasmo quer dizer ter Deus dentro ainda mais a apreciei.
41.  Terra – Diz-se que o que é natural é bom e realmente assim é. Existe na terra um sentido de maternidade que me encanta. Gosto de ver a natureza a crescer, a frutificar, a morrer e a regenerar-se. O ciclo da vida terra é um mistério que não deixa de ser fantástico.
42.  Mar – O mar é tão apaixonante como medonho. Inspira muitos dos mais belos sonhos e momentos, bem como os mais tremendos pesadelos.
43.  Céu e ressurreição – O céu físico e o espiritual. O primeiro onde gosto de ir quando viajo de avião) e o segundo para onde desejo ir. A ressurreição é a palavra que marca todo o rumo de uma vida. Para aí espero que possamos dirigir-nos onde já não morreremos mais.
44.  Alcobaça – A nossa terra molda-nos a personalidade a partir das suas gentes, cultura e múltiplas vivencias que aí nos vinculam.
45.  Lisboa – É pena mas é verdade: Lisboa oferece a segurança de muita coisa ali se encontrar. São meios e recursos a que precisamos recorrer muitas vezes e que ali se situam.
46.  Tio – Dos títulos mais recentes que recebi e que sabe bem ouvir. Estou ainda a aprender e a habituar-me.

Obrigado a todos pela partilha e por todas as palavras bonitas de carinho e estima que tanto acrescentam à nossa vida. P. Carlos

Thursday, November 20, 2014

Arriscar é: trabalhar para a alegria?

Para que alegrias trabalhamos?
O centralismo da nossa alegria 
reduz-nos a muito pouco.
Merece-nos atenção a sua origem e destino.
Pode começar em nós mas não deve só ficar por aí.
A alegria mais completa abrange também os outros.